Página principalCirurgia de transplante de córnea (ceratoplastia)

Cirurgia de transplante de córnea (ceratoplastia)

ilustração do transplante de córnea

Um transplante de córnea substitui o tecido corneano doente ou lesionado pelo tecido de um doador de órgão.

Existem dois tipos principais de transplantes de córnea: Cirurgia de transplante de córnea de espessura total (também conhecida como ceratoplastia penetrante)e cirurgia de transplantes de córnea de camada posterior (também conhecida como ceratoplastia endotelial).

Nesses procedimentos, a porção da córnea que foi danificada em decorrência de doença ou lesão, é substituída por um tecido corneano saudável (geralmente de um banco de doadores). Uma córnea doente afeta a visão ao dispersar e distorcer a luz, causando clarão e visão embaçada, Um transplante de córnea pode ser necessário para restaurar a visão funcional.

Doença da córnea é a quarta causa mais comum de cegueira (depois de catarata, glaucoma e degeneração macular relacionada à idade), Afetando mais de 10 milhões de pessoas no mundo todo, segundo a World Health Organization.

Você precisa de um transplante de córnea?

Uma córnea translúcida e saudável é essencial para a boa visão. Se sua córnea for danificada devido a doença ou lesão ocular, ela pode ficar inchada, lesionada e severamente deformada e distorcer sua visão.

Um transplante de córnea pode ser necessário caso não seja possível restaurar a visão funcional com o uso de óculos e lentes de contato, ou se não for possível aliviar a dor e o inchaço com medicamentos ou lentes de contato especiais.

Doenças que podem afetar a nitidez de sua córnea e colocar você em risco de necessitar de um transplante de córnea incluem:

  • Cicatrizes causadas por infecções, como herpes ocular ou ceratite fúngica

  • Cicatrizes decorrentes de triquíase (uma doença em que os cílios crescem virados para dentro, em direção aos olhos, e arranham a córnea)

  • Doenças hereditárias, como Distrofia de Fuchs

  • Doenças oculares, como ceratocone avançado

  • Ectasia corneana (afinamento da córnea e formato corneano irregular)

  • Complicações raras da cirurgia LASIK

  • Queimaduras químicas da córnea ou danos decorrentes de uma lesão ocular

  • Inchaço excessivo (edema) da córnea

  • Rejeição de enxerto após um transplante corneano anterior

  • Falência de córnea devido a complicações relacionadas a cirurgia de catarata

Você é um candidato a transplantes de córnea?

Um transplante de córnea é realizado para melhorar a função da córnea e a visão. Se a dor é causada por uma doença ou lesão significativa da córnea, um transplante de córnea pode aliviar esse sintoma.

Com esses fatores em mente, você também deve considerar várias questões importantes antes de decidir se submeter a um transplante de córnea:

  1. Sua visão funcional atrapalha seu desempenho no trabalho ou sua habilidade de realizar atividades diárias?

  2. A sua visão pode ser corrigida com lentes de contato especiais ou outras medidas menos invasivas?

  3. Em que nível uma cirurgia de transplante de córnea afeta a sua situação financeira?

  4. Você tem a possibilidade de ficar tempo suficiente afastado do trabalho ou da escola (até seis meses a um ano em alguns casos) para se recuperar adequadamente?

Todas essas questões, em conjunto com uma triagem abrangente e consulta com seu oftalmologista, devem ser cuidadosamente consideradas antes de você decidir se submeter a um transplante de córnea.

Antes do procedimento de ceratoplastia

Se seu oftalmologista achar que o transplante de córnea é a melhor opção para você, seu nome será adicionado em uma lista de um programa de transplante de córnea local. Você pode precisar aguardar algum tempo até que um tecido adequado de um doador de córnea seja disponibilizado para um transplante.

Antes de a córnea de um doador ser liberada para transplante, ela é avaliada quanto a transparência a presença de quaisquer doenças, como hepatite e AIDS, de acordo com a entidade médica regulatória apropriada.

Durante um transplante de córnea

Seu cirurgião administrará anestesia local ou geral, dependendo da sua saúde, idade e lesão ou doença ocular, e da sua preferência quanto a estar desacordado durante o procedimento.

Caso for usada anestesia local, é feita uma injeção na pele ao redor do seu olho para relaxar a musculatura que controla os movimentos palpebrais e oculares, e são usados colírios para amortecer seu olho. Você estará acordado durante o procedimento e a maioria das pessoas não relata nenhum desconforto.

Após a anestesia fazer efeito, um instrumento chamado espéculo palpebral é usado para manter suas pálpebras abertas. O cirurgião então mede a área afetada da córnea para determinar o tamanho necessário de tecido do doador.

Cirurgia de transplante de córnea tradicional. Durante uma cirurgia de transplante de córnea tradicional (ceratoplastia penetrante), toda a espessura de uma parte circular, em forma de botão, da sua córnea danificada é removida com um instrumento chamado trefina ou um laser de femtossegundo.

Um "botão" corneano semelhante é removido do olho do doador e posicionado e suturado na sua córnea. A sutura (pontos) é mantida tipicamente durante um ano ou mais após a cirurgia.

Finalmente, um protetor plástico é posicionado sobre seu olho para protegê-lo durante o período de recuperação.

A cirurgia de ceratoplastia penetrante geralmente leva uma ou duas horas, e a maioria dos procedimentos é realizada em regime ambulatorial, o que significa que você pode ir para casa pouco tempo depois após a cirurgia. (Você precisará de alguém para dirigir para você.)

Ceratoplastia endotelial. No caso da ceratoplastia endotelial, apenas a camada mais interna da córnea (chamada de endotélio)É substituída, deixando o tecido corneano suprajacente saudável intacto. (O endotélio controla o equilíbrio hídrico na córnea, e quando ele está danificado ou doente, pode levar a inchaço corneano significativo ou perda da visão.)

Durante o procedimento de ceratoplastia endotelial (CE), o cirurgião faz uma pequena incisão e posiciona um disco de tecido do doador contendo uma camada de células endoteliais saudáveis na superfície posterior da sua córnea. Uma bolha de ar é usada para posicionar a nova camada endotelial no lugar certo. A pequena incisão cicatriza naturalmente, sem a necessidade de sutura.

Ceratoplastia endotelial tem várias vantagens em relação à ceratoplastia penetrante de espessura total. Elas incluem:

  • Rápida recuperação da visão

  • Menor tempo de procedimento

  • Remoção mínima de tecido corneano

  • Ausência de complicações relacionadas à sutura

  • Rápida recuperação da visão

  • Risco reduzido de astigmatismo após a cirurgia

  • Menor impacto da integridade estrutural do olho e menor susceptibilidade a lesão após a cirurgia

O procedimento de enxerto corneano de CE tornou-se a técnica preferida para pacientes com distrofia de Fuchs e outros distúrbios endoteliais da córnea. No entanto, ceratoplastia penetrante de espessura total tradicional é o melhor tratamento se grande parte da sua córnea estiver doente ou lesionada.

Recuperação de um transplante de córnea

O tempo total de recuperação do transplante de córnea pode ser de um ano ou mais.

Inicialmente, sua visão ficará embaçada nos primeiros meses (e em alguns casos, pode até parecer pior do que antes) da etapa inicial do processo de cicatrização.

Conforme sua visão for melhorando, você será capaz de retornar gradativamente à suas atividades cotidianas. Durante as primeiras semanas, exercícios intensos e levantar peso estão proibidos. No entanto, você poderá voltar ao trabalho uma semana após a cirurgia, dependendo do seu trabalho e de quão rapidamente sua visão for recuperada.

Colírios com esteroides serão prescritos durante vários meses para ajudar seu corpo a aceitar o novo enxerto corneano, bem como outros medicamentos para ajudar a controlar a infecção, o desconforto e o inchaço.

Você deve manter seu olho protegido a todo momento por uma proteção ou um par de óculos, para que nada esbarre ou entre no seu olho acidentalmente.

Se forem usados pontos na sua ceratoplastia, eles são geralmente removidos em três a 17 meses após o procedimento, dependendo da saúde do seu olho e da velocidade de cicatrização.

Caso seja necessário, podem ser feitos ajustes nas suturas ao redor do novo tecido corneano para ajudar a reduzir a quantidade de astigmatismo resultante da irregularidade da superfície.

Assim como para qualquer tipo de cirurgia, sempre siga as instruções do seu cirurgião para ajudar a minimizar as complicações do transplante corneano e acelerar a cicatrização.

Rejeição do enxerto corneano

Transplantes de córnea são realizados diariamente e têm uma boa taxa de sucesso. De fato, enxertos corneanos são os mais bem-sucedidos dentre todos os transplantes de tecido.

Assim como outros procedimentos cirúrgicos, um transplante de córnea envolve certos riscos. Para a maioria das pessoas, ter a sua visão melhorada ou restaurada supera a possibilidade de complicações associadas à cirurgia de transplante de córnea. Porém, os riscos devem ser compreendidos e considerados antes de se submeter ao procedimento de ceratoplastia.

As complicações de um transplante de córnea podem ser significativas e podem incluir rejeição do enxerto corneano, infecção ocular e problemas associados aso uso de pontos.

Rejeição do tecido do doador é a complicação mais séria após um transplante de córnea. Isso ocorre em 5% a 30% dos pacientes. A rejeição ao transplante ocorre quando o sistema imunológico do corpo detecta a córnea do doador como um corpo estranho e a ataca, tentando destruí-la.

Um estudo mostrou que ter glaucoma e inchaço corneano associado a cirurgia de catarata prévia pode aumentar suas chances de rejeição ao enxerto corneano.

Sinais de alerta e tratamento

Reconhecer os principais sinais de alerta de rejeição de transplante de córnea é o primeiro passo para prevenir a rejeição do enxerto.

Isso pode ser lembrado pelo acrônimo VSPD:

  • Vermelhidão

  • Ssensibilidade à luz

  • Perda da visão

  • Dor

Sinais de rejeição podem ocorrer depois de um mês ou até vários anos após a cirurgia.

Seu oftalmologista prescreverá medicamentos que podem ajudar a reverter o processo de rejeição. Se detectado precocemente, o enxerto terá 9 em 10 chances de ser bem-sucedido, segundo a Cornea Research Foundation of America.

Caso o enxerto seja rejeitado, a cirurgia de transplante de córnea pode ser repetida. Embora a repetição da cirurgia ofereça bons resultados, a taxa geral de rejeição aumenta com o número de transplantes de córnea que você realizou.

Visão após o transplante de córnea

Sua visão deve melhorar gradativamente algumas semanas após o transplante de córnea, mas deve levar cerca de dois meses até um ano para que a visão que recebeu o tecido doado se estabilize.

Você pode ficar com algum grau de miopia e astigmatismo, pois a curva do tecido corneano do doador pode não ser igual à curva da sua córnea original.

Corrigia a visão após a ceratoplastia pode ser, de certa forma, imprevisível, e é possível que o paciente ainda apresente astigmatismo significativo após o procedimento de transplante de córnea.

Erros de refração leves causados pela cirurgia de transplante de córnea podem ser corrigidos com óculos ou lentes de contato.

Lentes de contato rígidas gás permeáveis e lentes de contato híbridas são geralmente as lentes de contato mais adequadas para pacientes que foram submetidos a transplante de córnea devido à irregularidade da córnea após o procedimento. No entanto, lentes de contato gelatinosas à vezes são uma boa opção também.

A sua visão pode oscilar durante os primeiros meses após a cirurgia, portanto você deve esperar até que seu oftalmologista confirme a estabilidade da sua visão antes de receitar óculos ou adaptação a lentes de contato.

Quando seu olho estiver totalmente cicatrizado e os pontos tiverem sido removidos, você pode se qualificar para ser submetido a cirurgia a laser, como a LASIK (ceratomileuse local assistida por laser) ou PRK (ceratectomia fotorrefrativa) para melhorar a sua capacidade de enxergar com ou sem óculos ou lentes de contato ao reduzir a miopia e o astigmatismo.

Córneas artificiais e córneas e biossintéticas

Tecido de doador humano é a melhor opção (e com taxa de sucesso bem maior) para substituir uma córnea doente ou danificada. No entanto, no caso de pacientes com alto risco de apresentarem rejeição a transplante de córnea com tecido de doador humano (pacientes que apresentaram rejeições a enxerto anteriores com transplantes de córnea humana) e não têm outras opções para melhorar a visão, pode ser usado tecido corneano artificial.

Uma córnea artificial (também chamada de ceratoprótese) é feita a partir de material biológico inerte. Um procedimento de transplante de córnea usando uma córnea artificial é tipicamente reservada a pacientes com:

  • Uma doença autoimune grave

  • Queimaduras químicas

  • Acesso limitado ou nenhum acesso a tecido de doador humano; ou

  • Histórico de várias rejeições a transplante de córnea de doador humano

Outra área de pesquisa contínua é o desenvolvimento de tecido corneano biossintético a partir de um gene humano que regula a produção natural de colágeno (a proteína estrutural mais comum no corpo, que consegue regenerar e reparar tecido ocular danificado).

Embora o campo das córneas biossintéticas ainda esteja bem no início, essa abordagem pode ser uma possível alternativa caso o tecido do doador humano não seja adequado ou não esteja disponível.

Find Eye Doctor

Agendar um exame

Encontre Oftalmologista