Condições Oculares

Controle da miopia: existe cura para a miopia?


menina de óculos, espreitar por cima de uma mesa
Advertisement

Se seu filho tem miopia, você provavelmente está se perguntando se existe uma cura — ou pelo menos algo que possa ser feito para retardar sua progressão, para que seu filho não precise de óculos com graus maiores ano após ano.

Por anos, oftalmologistas e pesquisadores têm se perguntado a mesma coisa. E há boas notícias: vários estudos recentes sugerem que pode ser realmente possível pelo menos controlar a miopia, retardando sua progressão durante a infância e a adolescência.

O que é controle de miopia?

Embora não tenha sido descoberta uma cura definitiva para a miopia, o seu oftalmologista agora pode oferecer uma série de tratamentos capazes de retardar a progressão da miopia.

Esses tratamentos podem induzir mudanças na estrutura e no foco do olho, reduzindo o estresse e a fadiga associados ao desenvolvimento e à progressão da miopia.

Por que você deveria ter interesse em controle de miopia? Porque retardar a progressão da miopia pode evitar que seu filho desenvolva graus elevados de miopia que exigem óculos fortes que geram dependência e desconforto ao usuário e ainda existem de saúde ocular que podem ser influenciados pela miopia elevada.

Atualmente, três tipos de tratamento têm se mostrado promissores para o controle da miopia:

  • Ortoqueratologia ("orto-k")
  • Lentes de contato multifocais
  • Óculos multifocais

Aqui está um resumo de cada um desses tratamentos e de pesquisas recentes sobre controle de miopia:

Ortoqueratologia

A ortoqueratologia é o uso de lentes de contato rígidas que possuem um desenho especial para remodelar a córnea do usuário míope durante o sono, assim, durante o dia o grau de miopia é corrigido por esse "remodelamento". O tratamento é temporário, enquanto se usarem as lentes de contato durante o sono e a córnea volta ao normal depois de alguns dias ou semanas quando se suspendem as lentes.

No entanto, alguns oftalmologistas também usam lentes "orto-k" para controlar a progressão da miopia em crianças. Evidências sugerem que crianças míopes que passam por vários anos de ortoqueratologia podem acabar com menos miopia quando adultos, em comparação com crianças que usam óculos ou lentes de contato regulares durante os anos de pico (final da infância e início da adolescência) para a progressão da miopia.

Muitos profissionais de oftalmologia se referem a essas lentes como lentes "remodeladoras da córnea" ou "terapia refrativa da córnea (TRC)" em vez de lentes orto-k, embora os designs das lentes possam ser semelhantes.

Em 2011, pesquisadores do Japão apresentaram um estudo que avaliou o efeito das lentes orto-k no alongamento do globo ocular em crianças, um fator associado à progressão da miopia.

Um total de 92 crianças míopes completaram o estudo de dois anos: 42 usavam lentes orto-k durante a noite e 50 usavam óculos convencionais durante o dia. A idade média das crianças participantes era de cerca de 12 anos no início do estudo e as crianças de ambos os grupos tinham essencialmente o mesmo grau de miopia pré-existente (-2,57 D) e o mesmo comprimento axial do globo ocular (24,7 mm).

Ao final do estudo, as crianças do grupo de óculos tiveram um aumento significativamente maior no comprimento axial dos olhos do que as crianças que usavam as lentes de contato orto-k. Os autores do estudo concluíram que a ortoqueratologia noturna suprimiu o alongamento dos olhos das crianças participantes do estudo, sugerindo que a orto-k pode retardar a progressão da miopia, em comparação com o uso de óculos comuns.

Em 2012, os mesmos pesquisadores publicaram os resultados de um estudo semelhante, realizado ao longo de cinco anos com 43 crianças míopes. Esse estudo mostrou que, comparado com o uso de óculos convencionais para correção da miopia, o uso das lentes de contato orto-k durante a noite evita que o olho cresça e a miopia aumente.

Também em 2012, pesquisadores da Espanha publicaram dados de estudos que revelaram que crianças de 6 a 12 anos de idade, com -0,75 a -4,00 D de miopia, que usaram lentes de contato orto-k por dois anos, tiveram uma progressão menor da miopia e menor alongamento axial dos olhos do que crianças semelhantes que usavam óculos para correção da miopia.

Em outubro de 2012, pesquisadores de Hong Kong publicaram outro estudo sobre o efeito das lentes de contato orto-k no controle da progressão da miopia em crianças. Um total de 78 crianças míopes com idades entre 6 e 10 anos no início da investigação completaram o estudo com duração de dois anos.

As crianças que usavam lentes orto-k tiveram um aumento 43% mais lento no comprimento axial dos olhos se comparadas com as crianças que usavam óculos. Além disso, as crianças mais novas que usavam lentes GP para remodelar a córnea (orto-K tiveram uma redução maior na progressão da miopia do que as crianças mais velhas.

Em março de 2014, pesquisadores de Taiwan publicaram resultados de um estudo que comparou o uso de lentes de contato orto-k versus colírio de atropina para o controle da miopia em crianças de 7 a 17 anos. Os participantes tinham graus de miopia que variavam de -1,50 a -7,50 D (com até -2,75 D de astigmatismo) no início do período de três anos do estudo.

Os dois tratamentos de controle da miopia produziram resultados comparáveis: crianças que usavam lentes orto-k experimentaram progressão -0,28 D da miopia por ano, enquanto aquelas que usavam óculos e aplicavam 0,125% de colírio de atropina à noite tinham uma progressão média de -0,34 D por ano.

Embora esse estudo não incluísse um grupo controle que não recebesse tratamento para controlar a miopia, os autores do estudo mencionaram que, em estudos semelhantes, a progressão da miopia entre crianças que usavam lentes orto-k para controle da miopia era aproximadamente a metade daquelas que não receberam qualquer tratamento de controle de miopia por um período de dois anos.

Lentes de contato multifocais

Lentes de contato multifocais são lentes especiais que possuem graus diferentes, em diferentes zonas da lente, para corrigir a presbiopia assim como hipermetropia e miopia (com ou sem astigmatismo).

No entanto, pesquisadores e oftalmologistas estão descobrindo que as lentes de contato gelatinosas multifocais convencionais ou modificadas também são ferramentas eficazes para o controle da miopia.

Em 2010, pesquisadores da Austrália, da China e dos Estados Unidos apresentaram dados de um estudo experimental de lentes de contato para controle da miopia usadas por escolares chineses por seis meses. As lentes de contato tinham um design multifocal especial de foco duplo, com potência corretiva total no centro da lente e uma potência menor na periferia.

Os participantes tinham entre 7 e 14 anos de idade no começo do estudo e entre -0,75 a -3,50 dioptrias (D) de miopia, com não mais do que 0,50 D de astigmatismo. Um total de 65 crianças usaram as lentes de contato multifocais experimentais, enquanto outras 50 crianças usavam óculos. Após seis meses, as crianças que usavam lentes de contato multifocais tiveram uma progressão da miopia 54% menor do que as crianças que usavam óculos.

Em junho de 2011, pesquisadores da Nova Zelândia relataram uma comparação de lentes de contato multifocais experimentais e lentes gelatinosas convencionais para controle da miopia em crianças. Um total de 40 crianças míopes com idades entre 11 e 14 anos participou do estudo. As crianças usaram a lente multifocal em um olho escolhido aleatoriamente e uma lente de contato gelatinosa convencional no outro olho por 10 meses, depois trocaram as lentes para o olho oposto por mais 10 meses.

Em 70% das crianças, a progressão da miopia foi reduzida em 30% ou mais nos olhos que usavam a lente multifocal experimental nos dois períodos de 10 meses do estudo.

Em novembro de 2013, pesquisadores dos EUA publicaram os resultados de um estudo de dois anos que revelou que crianças míopes que usavam lentes multifocais diariamente tiveram uma progressão da miopia 50% menor se comparadas com crianças míopes que usavam lentes gelatinosas regularmente por dois anos.

As crianças participantes do estudo tinham idade entre 8 e 11 anos e possuíam -1,00 a -6,00 D de miopia no momento da inscrição.

Os autores do estudo concluíram que os resultados deste e de estudos de controle de miopia anteriores indicam a necessidade de um ensaio clínico randomizado e de longo prazo para investigar melhor o potencial de lentes de contato gelatinosas multifocais para controlar a progressão da miopia em crianças e, assim, reduzir os riscos associados a altos graus de miopia.


Notícias Sobre a Visão Infantil

Quase metade da população global pode ser míope até 2050, dizem os pesquisadores

Fevereiro de 2016 — Pesquisadores do Brien Holden Vision Institute, em Sydney, Austrália, recentemente se debruçaram sobre dados de 145 estudos e analisaram a prevalência de miopia e alta miopia entre 2,1 milhões de participantes do estudo. O grupo também usou dados publicados desde 1995 para estimar tendências de 2000 a 2050.

O que eles acharam foi alarmante.

Estima-se que 1,4 bilhões de pessoas em todo o mundo eram míopes em 2000. Isso representa cerca de 23% de toda a população global. No entanto, os pesquisadores preveem que até 2050 esse número subirá para 4,8 bilhões, afetando 49,8% da população mundial.

A boa notícia é que existem maneiras de proteger seus filhos de aterrissar no lado errado dessa estatística. Uma forma pode ser incentivá-los a desligar seus dispositivos eletrônicos e ir para um ambiente aberto.

O estudo indicou que os aumentos projetados na miopia são causados principalmente por mudanças no estilo de vida, caracterizadas por atividades mais relacionadas com a visão de perto, como o uso de computadores e dispositivos eletrônicos portáteis, incluindo smartphones. Outros fatores de risco propostos incluem longas horas em sala de aula e menos tempo ao ar livre, especialmente entre crianças pequenas em países como Singapura, Coréia, Taiwan e China.

Embora a visão da maioria das pessoas com miopia possa ser corrigida com óculos e lentes de contato, altos níveis de miopia aumentam o risco de doenças oculares, como catarata, glaucoma, descolamento de retina e degeneração macular miópica — as quais podem causar perda irreversível da visão.

Os autores do relatório concluíram que a prevalência de altos graus de miopia provavelmente aumentará sete vezes entre 2000 e 2050, o que tornaria a miopia uma das principais causas de cegueira permanente em todo o mundo.


Óculos multifocais

Os óculos multifocais também foram testados para controle da miopia em crianças, mas os resultados foram menos impressionantes do que os produzidos com lentes multifocais.

Diversos estudos publicados entre 2000 e 2011 descobriram que o uso de óculos multifocais não proporciona uma redução significativa na progressão da miopia para a maioria das crianças.

O Estudo de Correção da Miopia (COMET), um estudo publicado em 2003, descobriu que as lentes progressivas, comparadas às lentes normais de visão única, retardavam a progressão da miopia em crianças em uma quantidade pequena, mas estatisticamente significativa, durante o primeiro ano. Mas o efeito não foi significativo nos próximos dois anos do estudo.

Mas em março de 2014, pesquisadores da Austrália e da China publicaram os resultados de um ensaio clínico de três anos que avaliou a progressão da miopia em 128 crianças míopes de 8 a 13 anos. Todos os participantes haviam experimentado pelo menos -0,50 D de progressão da miopia no ano anterior ao início do estudo.

Um grupo de crianças usava óculos convencionais de visão simples, um segundo grupo usava óculos bifocais e um terceiro grupo usava lentes bifocais com prisma. Após três anos, as crianças que usavam qualquer tipo de óculos bifocais apresentaram progressão média da visão míope significativamente menor (-1,01 D a -1,25 D) do que as crianças que usavam lentes de visão única (-2,06 D).

Detecção precoce da miopia

A melhor maneira de tirar proveito dos métodos de controle da miopia é detectá-la cedo.

Mesmo que seu filho não se queixe de problemas de visão (crianças míopes costumam ser excelentes alunos e não têm queixas de visão ao ler ou fazer outros trabalhos escolares), é importante agendar exames oftalmológicos de rotina para seus filhos, começando antes de entrar no berçário.

Os exames oftalmológicos na primeira infância são especialmente importantes se você ou seu cônjuge forem míopes ou se os irmãos mais velhos do seu filho tiverem miopia ou outros problemas de visão.

E quanto ao controle de miopia em adultos?

A miopia geralmente se desenvolve durante os primeiros anos escolares e tende a progredir mais rapidamente em pré-adolescentes do que em adolescentes mais velhos. É por esse motivo que os estudos de controle da miopia geralmente envolvem crianças relativamente jovens.

Embora seja verdade que a miopia também possa se desenvolver e progredir em adultos jovens, isso é menos comum. E é possível que os olhos de um adulto não respondam aos tratamentos de controle da miopia da mesma forma que os olhos de uma criança. Por esses motivos, é provável que a maioria das pesquisas sobre o controle da progressão da miopia continue focada em crianças míopes, e não em adultos.

Exercícios podem curar miopia?

Você pode ter visto ou ouvido anúncios na televisão e na Internet dizendo que exercícios para os olhos podem reverter a miopia e corrigir sua visão "naturalmente".

Alguns desses programas de exercícios para os olhos recomendam que você peça ao seu oftalmologista que lhe prescreva um par de óculos para uso em tempo integral, mas que intencionalmente corrija em um grau inferior ao necessário, como um tratamento complementar à realização dos exercícios. A alegação é de que os exercícios e a sub-correção inferior da sua miopia reduzirão a miopia, logo, você precisará de menos correção da visão com o passar do tempo.

Vale observar que pesquisas mostraram que a sub-correção da miopia é ineficaz em retardar a progressão da miopia e pode, de fato, aumentar o risco de a miopia piorar. Além disso, a sub-correção intencional da miopia causa visão embaçada à distância, o que pode colocar seu filho em desvantagem na sala de aula ou nos esportes e afetar sua segurança.

Minha opinião (e da maioria dos oftalmologistas e pesquisadores da visão) é que os exercícios para os olhos não curam a miopia, são altamente suspeitos e não são sustentados por pesquisas independentes e bem projetadas. Portanto, cuidado!

Página atualizada em Dezembro de 2019

Advertisement

Encontre um oftalmologista próximo a você e agende uma consulta