Página principalCuidado com a saúde dos olhosRecursos de visãoEsclera: O branco do olho

Esclera: O branco do olho

Ilustração da esclerótica do olho

A esclera é a parte branca do olho que circunda a córnea. Na verdade, a esclera forma mais de 80% da área de superfície do globo ocular, estendendo-se desde a córnea até o nervo óptico, que sai da parte posterior do olho. Somente uma pequena porção da esclera anterior é visível.

Definição de esclera

A esclera é o tecido conjuntivo denso do globo ocular que forma o "branco" do olho. Ela é contínua com a camada de estroma da córnea. A junção entre a esclera branca e a córnea transparente é chamada de limbo.

A espessura da esclera varia de cerca de 0,3 milímetro a 1,0 milímetro. Ela é composta por fibrilas (pequenas fibras) de colágeno que se organizam em feixes irregulares e entrelaçados. O arranjo aleatório e o entrelaçamento dessas fibras de tecido conjuntivo são os responsáveis ​​pela resistência e flexibilidade do globo ocular.

A esclera é relativamente inativa metabolicamente e possui somente um suprimento sanguíneo limitado. Alguns vasos sanguíneos passam pela esclera para outros tecidos, mas a própria esclera é considerada avascular (sem vasos sanguíneos).

Parte da nutrição da esclera vem dos vasos sanguíneos da episclera, que é uma camada fina e frouxa de tecido conjuntivo que fica no topo da esclera e sob a conjuntiva transparente que cobre a esclera e a episclera. Vasos sanguíneos episclerais maiores são visíveis através da conjuntiva.

Outra nutrição da esclera vem da coroide subjacente, que é a camada vascular do globo ocular que está imprensada entre a esclera e a retina.

Função da esclera

A esclera e a pressão intraocular (IOP) do olho mantêm a forma do globo ocular.

A natureza resistente e fibrosa da esclera protege o olho de danos graves, como laceração ou ruptura, causados por traumas externos.

A esclera também fornece uma fixação robusta para os músculos extraoculares que controlam o movimento dos olhos.

Problemas de esclera

Aqui estão algumas doenças que podem afetar a esclera:

Icterícia escleral (olhos amarelados). Essa doença, também chamada de esclera ictérica, é um amarelecimento do branco dos olhos. Ela está associada a hepatite e outras doenças hepáticas.

Existe alguma controvérsia sobre a exatidão do nome dessa doença. Alguns pesquisadores afirmaram que o amarelecimento dos olhos (icterícia) ocorre na verdade na conjuntiva, não na própria esclera, e que a doença deveria, portanto, ser chamada de icterícia conjuntival. Apesar disso, muitos oftalmologistas continuam a chamar olhos amarelados ou amarelecimento dos olhos "de icterícia escleral" porque é a cor da esclera branca subjacente que é alterada pela doença.

Níveis elevados de bilirrubina sérica (um pigmento amarelo-alaranjado formado no fígado) estão comumente associados à icterícia escleral. Se desenvolver olhos amarelados, você deve fazer exames de sangue para verificar se tem esta doença e os problemas hepáticos associados.

Esclera azul. Como seria de esperar, essa doença ocorre quando uma esclera normalmente branca tem uma cor levemente azulada. A esclera azulada é causada por uma esclera congênita mais fina que o normal ou um afinamento da esclera decorrente de doença, que permite que a cor do tecido coroide subjacente apareça através dela.

As doenças congênitas e hereditárias associadas à esclera azul incluem osteogênese imperfeita (doença dos ossos quebradiços) e a síndrome de Marfan (uma doença do tecido conjuntivo). Doenças adquiridas, como anemia por deficiência de ferro, também podem estar associadas à esclera azulada.

Episclerite. Esta é a inflamação da episclera que fica acima da esclera e sob a conjuntiva. A episclerite é relativamente comum e tende a ser benigna e autolimitada. Ela possui duas formas:

  • Episclerite nodular, na qual há vermelhidão e tecido inflamado em uma área discreta elevada sobre a esclera.

  • Episclerite simples, em que os vasos sanguíneos episclerais dilatados ocorrem sem a presença de um nódulo.

A causa da maioria dos casos de episclerite é desconhecida, mas uma minoria significativa (até 36%) das pessoas que apresentam a doença ocular tem um distúrbio sistêmico associado, como artrite reumatoide, colite ulcerosa, lúpus, rosácea ou gota. Determinadas infecções oculares também podem estar associadas à episclerite.

A maioria dos episódios de episclerite se resolve por si só em duas a três semanas. Medicamentos via oral para dor e lágrimas artificiais refrigeradas podem ser recomendados se o desconforto for um problema.

Esclerite. É a inflamação da episclera e da própria esclera subjacente. A esclerite é uma doença de olhos vermelhos mais séria e geralmente mais dolorosa do que a episclerite. Até 50% dos casos de esclerite envolvem uma doença sistêmica subjacente, como artrite reumatoide.

Geralmente, o início da esclerite é gradual e a maioria dos pacientes desenvolve dor nos olhos intensa e pontadas ao longo de vários dias. Essa dor tende a piorar com os movimentos dos olhos. Na maioria dos casos, a inflamação começa em uma área e se espalha até que toda a esclera seja envolvida.

A esclerite pode causar danos permanentes aos olhos e perda de visão. As complicações frequentes incluem inflamação da córnea (ceratite), uveíte, catarata e glaucoma.

A esclerite é tratada geralmente com medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) orais e corticosteroides. Em alguns casos, a terapia imunomoduladora também pode ser prescrita. A esclerite pode permanecer ativa por vários meses ou até anos antes de entrar em remissão a longo prazo.

O que é uma fivela escleral?

A fivela escleral não é uma doença da esclera, é o nome de um procedimento cirúrgico usado para reparar ou prevenir um descolamento de retina.

No procedimento de fivela escleral, uma faixa de silicone, borracha ou plástico semiduro é geralmente colocada ao redor da esclera média e posterior e suturada no lugar. Essa banda empurra, ou "afivela," a esclera para dentro, em direção à retina destacada ou rompida, permitindo que o tecido retinal frouxo descanse contra a parede interna do olho.

O cirurgião de retina então usa frio extremo (criopexia) ou uma faixa específica de luz focada (fotocoagulação a laser) para selar o tecido retinal contra a parede do globo ocular, reparando a retina rasgada ou descolada.

A fivela escleral geralmente é deixada no local permanentemente.

Episcleritis. EyeWiki. American Academy of Ophthalmology. Agosto de 2016

Scleritis. EyeWiki. American Academy of Ophthalmology. Dezembro de 2015.

Remington, Lee Ann. Clinical Anatomy And Physiology Of The Visual System, 3ª edição. Butterworth-Heinemann, 2012.

Cassel GH, Billig MD e Randall, HG. The Eye Book: A Complete Guide To Eye Disorders And Health. The Johns Hopkins University Press, 1998.

'Conjunctival icterus,' not 'scleral icterus'. JAMA (Journal of the American Medical Association). Dezembro de 1979.

Find Eye Doctor

Agendar um exame

Encontre Oftalmologista