Página principalCuidado com a saúde dos olhosExames oftalmológicosComo o teste de campo visual ajuda a identificar Doenças oculares

Como o teste de campo visual ajuda a identificar Doenças oculares

Teste de campo visual para glaucoma e outros problemas oculares

Muitos distúrbios oculares e cerebrais podem causar perda de visão periférica e outras anormalidades do campo visual. Os testes de campo visual são realizados por oftalmologistas para detectar pontos cegos (escotomas) e outros defeitos do campo visual, que podem ser um sinal precoce desses problemas.

O tamanho e a forma de um escotoma oferecem pistas importantes sobre a presença e gravidade de doenças do olho, nervo óptico e estruturas visuais no cérebro. Por exemplo, danos ao nervo óptico causados ​​por glaucoma criam um defeito de campo visual muito específico.

Outras condições associadas a pontos cegos e outros defeitos de campo visual incluem doenças da retina, neuropatia óptica, tumores cerebrais e AVC.

Durante um exame de vista de rotina, seu oftalmologista pode recomendar testes de campo visual para avaliar a amplitude horizontal e vertical completa e a sensibilidade de sua visão. Esses "resultados de teste de campo visual de avaliação inicial" podem ser usados em seguida ​​para avaliar possíveis alterações em seu campo visual no futuro.

Tipos de testes de campo visual

O teste de campo visual de confronto é normalmente usado como um teste de campo visual de triagem. Um olho está coberto, enquanto o outro olho fixa em um objeto alvo enquanto o seu oftalmologista fica de pé ou sentado bem à sua frente. Em seguida, é solicitado que você descreva o que vê nas extremidades (ou periferia) do seu campo de visão.

Por exemplo, o seu oftalmologista pode levantar diferentes números de dedos dentro do seu campo de visão periférico e perguntar quantos podem ser vistos enquanto você continua a fixar no objeto alvo.

Se houver suspeita de uma doença ocular, talvez você precise passar por tipos mais abrangentes e formais de testes de campo visual para avaliar a qualidade de sua visão central e periférica. Existe uma variedade de testes sensíveis para medir a perda de campo visual, inclusive:

  • Perimetria automatizada. Várias formas de testes de perimetria automatizados medem suas respostas à presença de objetos em diferentes áreas do seu campo de visão.

    Enquanto sua cabeça está parada, geralmente com a testa e o queixo apoiados dentro de um grande instrumento semelhante a uma bacia, você olha para uma fonte de luz diretamente à frente e pequenas luzes de diferentes intensidades são emitidas de pontos aleatórios em seu campo visual. A cada vez que você vê uma dessas luzes, pressiona imediatamente um botão ou usa algum outro meio para indicar sua resposta.

    Se você não conseguir ver as luzes em determinadas partes do seu campo de visão, então você pode ter um ponto cego indicando perda de visão.

  • Perimetria de duplicação de frequência. A duplicação de frequência é baseada em uma ilusão de ótica produzida com barras verticais de cores contrastantes (geralmente preto e branco) aparecendo em uma tela. Essas barras parecem dobrar de número quando piscam alternadamente em frequências mais altas, um fenômeno que se acredita ser devido à resposta única de células sensíveis à luz específicas (fotorreceptores) na retina.

    A incapacidade de ver barras verticais em determinadas frequências pode indicar nervo óptico ou outros tipos de dano ocular com a consequente perda de visão em determinadas áreas do campo visual.

  • Eletrorretinografia. Este teste mede a atividade elétrica gerada pelas células fotorreceptoras na retina quando o olho é estimulado por uma luz estroboscópica especial ou um padrão de luz quadriculado reverso. A medição é capturada por um eletrodo colocado na superfície frontal do olho (córnea) e um registro gráfico denominado eletrorretinograma (ERG) é produzido.

    A eletrorretinografia é útil no diagnóstico de vários distúrbios hereditários e adquiridos da retina, inclusive retinite pigmentosa, descolamento de retina e alterações funcionais na retina causadas por arteriosclerose (endurecimento das artérias) ou diabetes.

Find Eye Doctor

Agendar um exame

Encontre Oftalmologista